sábado, 22 de julho de 2017

O império da destruição

 Resultado de imagem para USA: Empire of evil
Guerra de precisão? Não me faça rir

Por Tom Engelhardt, trad: mberublue

Julho de 2017 - Information Clearing House – Você lembra. Supostamente, era para ser uma guerra estilo (norte)americano do século 21: precisa além da imaginação; bombas inteligentes; drones capazes de buscar um ser humano individual cuidadosamente identificado em qualquer lugar do planeta; operações especiais desfechadas de forma tão precisa que deveriam representar um triunfo da moderna ciência militar. Tudo devidamente “cibernetizado”. Era para ser uma espécie de sonho de destruição limitada combinada com poder ilimitado e sucesso idem. Na realidade, tudo se provou um pesadelo de primeira ordem.
Evém aí o Grande Colapso dos EUA

 Resultado de imagem para Os três Patetas


21/7/2017, James Howard Kunstler,* Russia Insider, tradução pelo Coletivo VILA VUDU


"Para mim, vendo as coisas pelas lentes da história, é cada vez mais parecido com Frenesi de Caça às Bruxas de Salem que encontra a Revolução Francesa, com um borrifo de confusão quântica por cima."

Se se consideram os tropeços e solavancos de seu meio ano como presidente (tosse de ironia), Donald Trump parece ter mais vidas que o Gato de Schrödinger. Ou, talvez, só pareça ter. Ou, talvez, absolutamente nem esteja lá (como o noticiário da mídia-empresa, hoje em dia, sempre criando eventos que no máximo aconteceram só parcialmente). Trump talvez apenas represente uma probabilidade cômica num número infinito de universos de probabilidades umas cômicas, umas trágicas. Começo a entender por que o pessoal em Hollywood está tendo chiliques por causa do chefe do Executivo: não é possível roteirizar o feladaputa; é como deixar os Três Patetas por conta deles num estúdio de som, para refazerem "E o Vento Levou".

sexta-feira, 21 de julho de 2017


Golpe na Casa de Saud? 

Resultado de imagem para Saud House

20/7/2017, Pepe Escobar, Asia Times, trad: VILA VUDU

O que já era segredo escancarado em todo o mundo árabe, já não é segredo sequer nos EUA: o que houve mês passado no recesso mais profundo da Casa de Saud, com a ascensão do Príncipe Coroado Mohammad bin Salman, codinome MBS, foi, sim, um golpe branco.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Sobre a Reforma-Desmanche
Pró-Patrões e Contra-Trabalhadores
Não diga 'reforma trabalhista' (não é reforma, nem é pró-trabalho):
Diga "REFORMA-DESMANCHE Pró-Patrões e Contra-Trabalhadores"
________________________________________________

120 prejuízos que a REFORMA-DESMANCHE
pró-patrões e contra-trabalhadores
causa a todos os brasileiros

Aniquila direitos do trabalhador, atropela a Justiça do Trabalho e agride os sindicatos

De: SINPRO-DF
Para: "APROPUC - Associação dos Professores da PUCSP

Distribuído por e-mail pelo Prof. Moniz Bandeira, 18/7/2017

Um grupo de advogados da Bahia elaborou um minucioso sobre a 
REFORMA-DESMANCHE PRÓ-PATRÕES E CONTRA-TRABALHADORES (PPCT) e identificou 120 pontos que demonstram os grandes prejuízos que essa REFORMA-DESMANCHE, aprovada pelos 50 senadores empresários ou representantes do empresariado e eleitos por voto popular para legislar em causa própria, é muito pior do que o que se sabe dela até agora.

Confira os 120 pontos que esclarecem, didaticamente, por que essa REFORMA-DESMANCHE é nefasta e pior do que o que você pensa:

REFORMA-DESMANCHE PRÓ-PATRÕES E CONTRA TRABALHADORES (PPCT)
120 VEZES PIOR DO QUE O QUE VOCÊ PENSA

1 – A REFORMA-DESMANCHE PRÓ-PATRÕES E CONTRA TRABALHADORES (PPCT) estabelece a possibilidade da fraude empresarial em detrimento do trabalhador. Suponha-se um grande grupo societário. Esse grupo poderá abrir várias empresas (no nome dos próprios sócios) e pulverizar contratos de trabalho e passivos trabalhistas nas menores empresas, mantendo a principal "blindada" dessas questões.

Quando uma empresa resolver demitir um ou mais funcionários, poderá alegar falta de recursos financeiros para arcar com o pagamento de verbas rescisórias. Isso será possível, porque as várias empresas do mesmo grupo não serão consideradas mais parte de um grupo econômico, como ocorre hoje.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Erdogan que tome cuidado: veja o caso de Lula do Brasil 

 
15/7/2017, MK Bhadrakumar, Indian Punchline, tradução pelo Coletivo de Tradutores da Vila Vudu

Prôs petistas e liberais 'éticos' em geral que ignoram sinceramente ou só fingem que não veem a real luta internacional do capital – e se comprazem no xororô de 'como nos perseguem'.
_________________________________________________

Turquia marca hoje um aniversário pungente. Há exatamente um ano, houve uma tentativa de golpe militar na Turquia para depor o presidente Recep Erdogan – e, se fosse possível, provavelmente, eliminá-lo fisicamente. Mas o povo turco respondeu imediatamente à convocação de Erdogan para resistir ao golpe. A mais próxima analogia na história moderna pode ser a derrota histórica da tentativa de golpe contra Mikhail Gorbachev em agosto de 1991, quando Boris Yeltsin mobilizou o 'poder popular' na Praça Vermelha em Moscou e derrotou os golpistas.
A chantagem energética dos EUA se tornou uma dor de cabeça caríssima para os aliados de Washington.

Texto de Grete Mautner, tradução de btpsilveira

Já mencionamos a estratégia energética extorsiva adotada pela administração Trump numa tentativa de colocar os Estados Unidos mais uma vez no domínio da política internacional.

Ao tentar minimizar o rígido criticismo quanto às aspirações de Washington para assegurar a dominação no campo energético, o presidente Donald Trump anunciou recentemente em discursos perante os líderes dos países localizados entre os mares Báltico, Negro e Adriático que os EUA jamais usarão suprimentos energéticos como meio de assegurar determinadas políticas de terceiros países. Acrescentou que Washington não deseja monopolizar a área.

domingo, 9 de julho de 2017

Putin e Trump pilotam um encontro de ganha-ganha 

 
8/7/2017, Pepe EscobarAsia Times, tradução: Coletivo Vila Vudu


Desde o início, era garantida a "química positiva" na Mãe de Todas as Reuniões. O formato – só os quatro protagonistas, Vladimir Putin, Donald Trump, secretário de Estado Rex Tillerson, ministro de Relações Exteriores Sergey Lavrov e dois intérpretes – impedia qualquer vazamento. O encontro, previsto originalmente para 35 minutos, durou 2 horas e 16 minutos, e nem a aparição repentina da Primeira Dama Melania Trump – estavam atrasados para o evento Pompa & Circunstância da Elbphilharmonie – conseguiu interromper o fluxo.