sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Resultado de imagem para US Nuclear WarAs provocações costumam se transformar em guerras


Ainda é possível evitar a guerra e salvar o planeta?



Paul Craig Roberts – tradução de btpsilveira

As pressões que o governo russo e o presidente Putin enfrentam não decorrem das sanções dos Estados Unidos, as quais acabam se tornando benéficas para a Rússia, ao forçá-la a ser independente, mas de patriotas russos que estão perdendo a paciência com a postura não confrontacional de Putin para as provocações de Washington e seus insultos e provocações militares infindáveis.
Os patriotas russos não querem a guerra, mas querem que se defenda a honra do país, e acreditam que o trabalho de Putin é falho nesse quesito. Alguns chegam a dizer que o próprio Putin é um Integracionista Atlantista, admirador do ocidente.

A cumulação desse desencanto com Putin e a elevação da idade de aposentadoria para o trabalhador russo, que é uma armadilha colocada pelos economistas liberais do país, prejudicou o índice de aprovação de Putin precisamente quando ele está para ser mais uma vez testado por Washington na Síria.

Tenho defendido Putin da acusação de que não é suficientemente russo em muitos artigos. O que ele quer é evitar a guerra, porque sabe que esta pode ser nuclear, com consequências não menos que terríveis. Putin sabe muito bem que os Estados Unidos e seus aliados da OTAN não conseguirão prevalecer em uma guerra convencional contra Rússia ou China, e muito menos contra as duas potências. Putin entende também que as sanções estão prejudicando os vassalos europeus de Washington e podem eventualmente forçar esses joguetes para uma posição mais independente, que venha a diminuir da beligerância de Washington. Mesmo com as novas super armas russas, as quais provavelmente dão a Putin a capacidade de destruir todo o mundo ocidental com pouco ou nenhum dano para a Rússia, ele não vê sentido nessa destruição, especialmente quando não se sabe realmente quais as consequências colaterais. Tanto pode resultar em um inverno nuclear quanto no declínio do planeta como entidade de sustentação da vida.

Assim, sugeri em vários artigos que Putin age de forma inteligente. Ele está ao mesmo tempo em um jogo de longo prazo enquanto protege o mundo contra uma guerra desastrosa.
Há um problema a ser considerado, embora eu apoie a estratégia de Putin e admire sua frieza como pessoa que jamais permite que as emoções lhe dominem. Os políticos ocidentais com as quais ele tem que lidar são uns idiotas que não apreciam seus comportamentos de verdadeiro estadista. Consequentemente, a cada vez que Putin, por assim dizer, oferece a outra face, os insultos e as provocações aumentam.
Pense na Síria. Com a ajuda de uma pequena parte da Força Aérea Russa, o exército sírio liberou todas as áreas do país, a não ser uma em que estão as forças equipadas, financiadas e instigadas pelos Estados Unidos para derrubar o governo sírio.
As forças pagas dos Estados Unidos que ainda permanecem na Síria estão prestes a ser eliminadas; para salvá-las e providenciar aos EUA um ponto de apoio que lhes permita o reinício das hostilidades, Washinton deverá arranjar mais um episódio de falsa bandeira, um “ataque com armas químicas” do qual a mídia comprada (no original, “presstitute”, intraduzível, mas com o sentido de ‘mídia prostituta’-nt) ocidental obedientemente lançará a culpa no presidente Assad. O Consultor de Segurança Nacional de Trump, um neoconservador, louco desvairado, disse à Rússia que Washington “verá com maus olhos” o uso pela Síria/Rússia o uso de armas químicas por Assad “contra seu próprio povo”.
Os russos estão totalmente conscientes de que qualquer ataque será uma falsa bandeira orquestrada por Washington, usando os elementos mandados para a Síria para derrubar o governo. Na realidade, o embaixador russo para os Estados Unidos já explicou tudo em detalhes para o governo (norte)americano.
Parece muito claro que Putin espera evitar as maquinações de Washington já que seu embaixador explicou a oficiais (norte)americanos que tem conhecimento do eles estão orquestrando. https://www.zerohedge.com/news/2018-08-30/russian-ambassador-gave-intel-us-officials-showing-planned-chemical-provocation  Essa estratégia traz a presunção de que Putin pensa que os oficiais do governo (norte)americano são capazes de vergonha na cara e integridade. Com certeza não são. Estive com eles durante 25 anos. Eles sequer sabem o que essas palavras significam.

E se Putin, em vez disso, declarasse publicamente para o mundo inteiro ouvir que quaisquer forças, seja quais forem, responsáveis por um ataque contra a Síria seriam inteiramente aniquiladas? Minha visão disso: https://www.paulcraigroberts.org/2018/08/29/a-book-for-our-time-a-time-that-perhaps-has-run-its-course/ - e do patriota russo Bogdasarov:  https://www.fort-russ.com/2018/08/a-russian-response-to-a-new-us-attack-on-syria-should-include-sinking-the-carriers-not-just-shooting-at-their-missiles - é que um ultimato desse tipo a partir de um líder capaz de fazer exatamente o que diz poderia gelar os jatos da russofóbica Washington. Não haveria ataques contra a Síria.

Claro que podemos estar errados, Bogdasarov e eu. As forças russas instaladas através da Síria com seus mísseis hipersônicos são mais que suficientes para conter as forças dos EUA reunidas para atacar a Síria. No entanto, a arrogância (norte)americana pode com certeza se sobrepor aos fatos, e nesse caso Putin pode ter que destruir TODAS as forças de tal ataque. Ao não se comprometer de forma adiantada, Putin resguarda a flexibilidade de ação. Além disso, o ataque de Washington contra a Síria pode ser na verdade mais um ataque apenas para manter as aparências e não uma agressão real. Entretanto, cedo ou tarde a Rússia terá que ter firmeza na resposta a essas provocações.
Sou (norte)americano. Não russo, e muito menos um nacionalista russo. Eu não quero ver o pessoal do exército dos EUA mortos pelo desejo fatal de Washington por hegemonia mundial, muito menos porque Washington está a serviço dos interesses de Israel no Oriente Médio. A razão pela qual acredito que Putin faria melhor caso se ombreasse destemidamente com Washington é que penso, baseado na história, que a tentativa de apaziguar só encoraja provocações crescentes chegando a um ponto em que você ou luta, ou se rende. É bem melhor parar o processo em seu início antes que ele alcance um ponto perigoso de não retorno. Andrei Martyanov, cujo livro analisei recentemente em meu site, recentemente defendeu Putin, assim como The Saker e eu fizemos no passado, das acusações de que Putin é muito passivo face a essas agressões. https://russia-insider.com/en/russia-playing-long-game-no-room-instant-gratification-strategies-super-patriots/ri24561 Como já defendi as mesmas opiniões, só posso aplaudir Martyanov e The Saker. Onde diferimos nas opiniões é no reconhecimento de que aceitar indefinidamente insultos e provocações encoraja seu crescimento até chegar um hora em que não restará alternativa a não ser rendição ou guerra. Assim, aqui estão as questões para Martyanov, The Saker, Putin e o governo russo: Até quando vocês acham que oferecer a outra face funcionará? Vocês vão oferecer a outra face até permitir que seu oponente neutralize a vantagem que vocês tem agora em um confronto? Oferecerão vocês a outra face até perder o apoio de sua população patriótica pela falha em defender a honra do país? Até que vocês sejam eventualmente forçados à guerra ou à submissão? Ou até que isso resulte em uma guerra nuclear?

Acredito que tanto The Saker quanto Martyanov considerarão meu questionamento válido. Ambos enfatizam em seus livros e artigos altamente informativos que os historiadores da corte sempre apresentam a história do ponto de vista dos vitoriosos. Vamos pensar por um instante. Tanto Napoleão quanto Hitler, em seus apogeus jamais conheceram qualquer derrota militar. Então marcharam contra a Rússia e foram completamente destruídos. Por que eles fizeram isso? Porque seu sucesso até então lhes deu uma arrogância massiva e a crença no próprio “excepcionalismo”, uma palavra perigosa que atualmente tem no seu bojo a crença de Washington em sua própria hegemonia.
Os neoconservadores sionistas que governam em Washington são perfeitamente capazes de cometer o mesmo erro que Napoleão e Hitler cometeram. Com sua crença no “fim da história”, de que a história escolheu os Estados Unidos como modelo para o futuro com o colapso da União Soviética. Com sua arrogância extrema que na realidade chega a ser maior que a de Napoleão e Hitler.
Quando confrontado com uma força assim ideológica e iludida, será que oferecer a outra face não encoraja ainda mais provocação?
Esta é a questão que o governo russo enfrenta neste momento.
Talvez algum dia o governo russo entenda o significado dos elogios orquestrados dispensados a John McCain. Não é normal que um senador dos Estados Unidos seja elogiado dessa forma pelo seu comportamento, especialmente um com uma história tão duvidosa quanto John McCain. O que está sendo elogiado no falecido é seu ódio pela Rússia e seu histórico como um homem belicoso. O que Washington elogia é o próprio compromisso com a guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário