sábado, 8 de julho de 2017

Recadinho de Xi e Putin para Trump: O mundo unipolar dos EUA acabou

 
texto escrito por Finian Cunningham – tradução: btpsilveira

JULHO de 2017 - Information Clearing House Há tempos, a estratégia dos EUA têm sido isolar a Rússia internacionalmente. Está cada vez mais evidente que quem está ficando isolado são os Estados Unidos em nível global. Nas preliminares para o encontro do G-20 desta semana na Alemanha, a mudança da sorte se tornou clara.


Ao mesmo tempo em que a Coreia do Norte desafia Washington abertamente com mais testes de mísseis balísticos e o presidente Donald Trump permanece tuitando pataquadas adolescentes, os líderes da Rússia e da China estão orgulhosamente consolidando sua aliança estratégica para a formação de uma nova ordem mundial multipolar.

A imprensa ocidental não entendeu grande coisa, mas foi de uma importância histórica o encontro entre Putin e Xi Jinping em Moscou, nesta semana. Estamos testemunhando uma transição de poder mundial. Melhor: para o bem comum do planeta.

O presidente russo Vladimir Putin e seu par chinês Xi Jinping estão ligados através de um senso de respeito mútuo profundo e compreensão quanto aos desafios políticos que o mundo está enfrentando atualmente. Os dois líderes se encontraram por mais de vinte vezes nos últimos quatro anos. O presidente Xi se refere à Rússia como o principal aliado da China e disse que no mundo caótico da atualidade a amizade entre os dois países é uma fonte de estabilidade para ambos.

Sobre as últimas notícias sobre o teste bem sucedido de lançamento do primeiro míssil balístico intercontinental (ICBM) pela Coreia do Norte, tanto Putin quanto Xi pediram que se agisse com prudência. Em contraste, o presidente dos Estados Unidos disparou no twitter: “Será que esse sujeitinho não tem mais o que fazer na vida?” usando palavras que seriam mais apropriadamente empregadas em relação ao próprio Trump.

Como os Estados Unidos e sua aliada Coreia do Sul também lançaram seus mísseis balísticos em um exercício militar destinado a dar uma demonstração de força para Pyongyang, Kim Jung-Un respondeu que o ICBM era “um presente para os bastardos (norte)americanos” no dia 04 de julho, o feriado do Dia da Independência dos EUA e que teria ainda mais presentes do mesmo tipo a caminho.

Em vez de escalar as tensões, Putin e Xi se esforçam para aprovar uma proposta razoável onde a Coreia do Norte interromperia seus testes de mísseis e os EUA poderiam prudentemente terminar com seus exercícios militares na Península Coreana. Todos os lados se comprometeriam com conversações e com um compromisso de não violência, sem precondições. A fim de chegar a uma declaração abrangente que pudesse colocar fim e essa disputa que já vem de décadas.

O contraste entre a petulância arrogante de Trump e a posição digna e inteligente de Putin e Xi é uma prova clara de que a Rússia e a China mostram uma liderança global real, enquanto os (norte)americanos se colocam como parte do problema.

Ocorre que o drama coreano é apenas um episódio desta semana na qual se pode ver que as ambições (norte)americanas de um mundo unipolar se tornaram irrelevantes.

Ao prelúdio do encontro do G20, onde Putin recebeu Xi em Moscou seguiu-se uma visita de estado do presidente chinês à Alemanha de dois dias na quarta feira antes do encontro em Hamburgo. Noticiou-se que Xi e a chanceler alemã Angela Merkel assinaram um novo acordo de comércio entre os dois países líderes em exportações no globo.

 “As relações entre China e Alemanha alcançaram seu melhor período histórico” disse Michael Clauss, embaixador da Alemanha para Pequim. “A dinâmica econômica e política, de uma perspectiva alemã, está se movendo para o Oriente”.

Também tem grande significância as notícias desta semana de que a União Europeia estaria se preparando para finalizar um grande acordo comercial com o Japão.

Não menos importante foi o pedido do primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, para que a China e a Rússia ajudem na mediação da crise coreana, na sequência do lançamento por Pyongyang do teste com o ICBM.

Tornou-se evidente que o Japão, embora aliado de primeira mão de Washington, está procurando uma solução multilateral como a proposta por Moscou e Pequim.

Assim, a busca mundial por segurança, comércio ou economia, parece estar de várias formas se movendo inexoravelmente para um formato multipolar como o mais apropriado para a resposta a vários desafios.

Todas as nações parecem ser nada mais que um apoio para amarrar os cadarços dos sapatos para os “excepcionais (norte)americanos”, do ponto de vista de Washington, especialmente sob a liderança de Donald Trump. Os americanos se comportam no cenário mundial como adolescentes arrogantes e valentões não importa onde estejam.

O isolamento dos Estados Unidos no mundo vem subindo desde a Reunião de Cúpula do G7 no início deste ano em maio, quando as demais nações surpreendentemente divergiram de Trump sobre a sua decisão de afastar os Estados Unidos do acordo global sobre o clima. Após dois meses, o isolamento de Washington parece mais vívido que nunca no estágio da reunião dos líderes do G20 em Hamburgo neste final de semana.

Uma manchete do jornal Bloomberg News colocou de forma sucinta: “Trump se arrisca a unir aliados e inimigos da Guerra Fria contra ele”.

A busca atabalhoada de Trump pelo conceito protecionista comercial verbalizado como ”America First” e seu unilateralismo tacanho quanto às questões de segurança global, colocam os EUA em uma espécie de limbo, no que tenha a ver com o resto do mundo.

Em que buraco está escondida a “equipe” do suposto “líder do mundo livre?” todas as virtudes auto proclamadas a bom som, estão sendo vistas como são na realidade: conversa fiada, linguagem altissonante e presunçosa.

Os Estados Unidos estão sendo vistos mais como um gigante egoísta e desajeitado. Seu desequilíbrio comercial com o resto do mundo não acontece por causa do que Trump chama de “péssimos negócios”, mas por que a economia (norte)americana está arruinando a si mesma por décadas. A exportação dos empregos e das corporações e o arrocho dos trabalhadores (norte)americanos, trazendo ao país ondas de pobreza e desemprego é parte disso.

Agora, quando os EUA falam da defesa da lei e da segurança internacional, o resto do mundo apenas sorri com uma ironia amarga. As guerras através do Oriente Médio e a patrocínio do terrorismo são em grande parte produtos das intrigas criminosas para mudanças de regime. Do que estão falando estes loucos de Washington?

É a mesma ilusão perversa da “diplomacia do belo bolo de chocolate” oferecido ao presidente da China em um resort de praia na Flórida para em seguida comunicar sanções contra a China e as incursões militares provocativas em território chinês. Mas não se trata apenas de Trump. Toda a liderança e a classe dominante dos Estados Unidos se tornaram tão cegas pela arrogância que sequer percebem que o mundo que pretendem dominar está fechando coletivamente a porta e se afastando.

Na verdade Washington não tem respostas para os desafios globais atuais. Apenas pela sua colocação, Washington se torna uma das fontes dos problemas, senão a maior delas. Sequer conseguem ter a humildade de reconhecer as próprias responsabilidades. Parece que a única coisa que conseguem é piorar os problemas. A crise coreana mostra isso de forma clara.

Os presidentes Xi e Putin não estão conspirando para usurpar a dominação mundial, como Washington aparentemente quer nos fazer acreditar. Só mesmo Washington pode conceber uma ordem mundial democrática multipolar como algo ameaçador e sinistro, porque realmente sinistra e ameaçadora é a ambição dos Estados Unidos de uma “dominação total” unipolar

O mundo inteiro deveria estar grato pelo fato de que existem líderes como Putin e Xi, que estão avançando para criar uma nova ordem mundial multipolar. Ainda bem que a aliança estratégica entre China e Rússia tem a sustentação de uma enorme capacidade militar. Os exercícios navais levados a cabo neste mês no Mar Báltico servem como apólice de seguro indispensável para que Pequim e Moscou, cada vez mais ousados, possam colocar para os (norte)americanos as coisas como elas são.

A lição efetivamente entregue a Trump por Putin e Xi Jinping nesta semana, é que as ambições dos EUA de dominação mundial já não são aceitáveis ou factíveis. Os dias em que Washington podia intimidar o mundo com sua hipocrisia falsamente moralizadora e sua agressão militar são parte do passado.


Finian Cunningham (nascido em 1963) tem escrito exaustivamente sobre questões internacionais, com seus artigos publicados em várias linguagens. Originário de Belfast, Irlanda, trabalhou como editor de ciências na Sociedade Real de Química (ele é mestre em química agricultural), em Cambridge, Inglaterra, antes de seguir uma carreira jornalística. Por mais de 20 anos trabalhou como editor e escritor em grandes organizações de imprensa, entre elas os jornais The Mirror, Irish Times e Independent. Atualmente é um jornalista freelance baseado na África. Suas colunas são publicadas na RT, Sputnik, Strategic Culture Foundation e Press TV



Um comentário: