quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Resultado de imagem para John V WalshQuem é mais racista: Hillary ou Donald?

por John V. Walsh
tradução: btpsilveira


30 de dezembro de 2015 "Information Clearing House" - "Counterpunch" Quem é o racista mor, Hillary Clinton ou Donald Trump? Para responder a questão, temos que fazer outra pergunta. O que é pior: denegrir alguns membros de determinada etnia, grupo ou religião – ou matá-los aos milhões, mutilar outros milhões deles e deslocar ainda mais milhões?  O que é mais “racista”? Tendo isto em mente, quem é mais racista, Hillary ou Donald?


Por acaso os liberais que criticam Trump mas não Hillary esqueceram o slogan “Parem os bombardeios racistas” usado durante os movimentos contra a guerra do Vietnã?

E o que causa mais retaliações, mais ataques de vingança pelas vítimas – denegri-las com palavras ou matar seus filhos e amigos com bombardeios e sanções?


Resultado de imagem para Hillary ClintonConsideremos em seguida as carreiras e declarações de Hillary Clinton e Donald Trump. Restará alguma dúvida sobre quem é o grande criminoso em termos de hostilidade aos muçulmanos? Mesmo assim, recaem sobre Trump todas as acusações de “racismo” nas páginas de editoriais do New York Times e nos sites “progressistas” da Internet e em geral, mas não há acusações de racismo contra Hillary Clinton. Torna-se então fácil de ver o quanto é profunda uma das doenças do imperialismo, a incapacidade de ver o que é cristalinamente claro.  Dá também para ver como é abrangente a dominação das elites nos meios de comunicação da mídia empresária e mesmo naqueles consideradas alternativas.

O que Trump tem a dizer? Vamos analisar algumas de suas declarações, principalmente depois do último debate de 2015 entre os candidatos do Partido Republicano:

TRUMP: Em minha opinião, nós gastamos $4 trilhões de dólares tentando derrubar algumas pessoas que, francamente, se eles ficassem onde estavam e nós tivéssemos gasto essa dinheirama toda nos Estados Unidos, consertando nossas rodovias, nossas pontes, e todos os nossos vários problemas; nossos aeroportos e todos os outros problemas que temos, teríamos ganhado muito mais. Posso dizer isso a vocês tranquilamente.

Nós estamos prestando um tremendo desserviço, não apenas para o Oriente Médio, mas para a humanidade inteira. Pessoas foram mortas, pessoas foram simplesmente apagadas, e para que? Isso não me parece uma vitória.

Virou uma bagunça. O Oriente Médio está totalmente desestabilizado. Uma bagunça completa. Eu queria que a gente ainda tivesse aqueles $4 ou $5 trilhões. Eu queria que a gente os gastasse aqui mesmo nos Estados Unidos, em nossas escolas, hospitais, rodovias, aeroportos, e em tudo que está caindo aos pedaços (declaração importante – o autor).

O ativista católico antiguerra Doug Fuda descreveu esta declaração como sendo “quase um apelo desesperado para um arrependimento que os Estados Unidos necessitam desesperadamente”.

Você pode alegar que não passa de retórica de campanha – embora você dificilmente vá ouvir coisa semelhante do resto dos candidatos, especialmente sobre o valor que deveriam ter as vidas que os Estados Unidos mataram através de bombardeios estúpidos até a destruição completa. Pois considere então o que foi dito por Trump em uma entrevista para a Esquire em 2004:

“Veja a confusão em que se encontra agora a Guerra no Iraque. Eu jamais lidaria com as coisas dessa maneira. Será o Benedito que alguém acredita de verdade que o Iraque vai se tornar uma democracia onde o povo irá para as urnas colocar gentilmente seus votos nas cédulas, e o vencedor das eleições liderará alegremente o país entre a felicidade geral da nação? Tenham a santa paciência... Dois minutos depois que sairmos de lá, haverá uma revolução e o pior sujeito, o mais forte, malvado e bandido assumirá o poder.”

“Qual foi o propósito de tudo isso? Centenas e centenas de jovens assassinados. E o que dizer das pessoas que perderam seus braços e suas pernas? Para não falar do pior: todas aquelas crianças iraquianas que foram feitas em pedaços pelos bombardeios. E ainda por cima se descobre que as razões para fazer a guerra eram escandalosamente erradas. Tudo isso por nada!” (declaração também importante – o autor).

Resultado de imagem para Hillary ClintonEsta declaração foi feita há onze anos quando Trump era ainda apenas uma sensação na TV e não um candidato presidencial. A simples medida da passagem do tempo entre a declaração de um candidato e o dia das eleições é o maior atestado da sinceridade do que declara. Pois com as declarações em 2004 você também pode auferir o sentimento expressado por Hillary Clinton em seu apoio à guerra contra o Iraque, quando declarou, em conjunto com a sua colega Madeleine Albright, quando questionada sobre as duras sanções contra o Iraque e sobre uma guerra que matou centenas de milhares de pessoas, entre elas quinhentas mil crianças, e Hillary Clinton afirmou que “valeu a pena” apenas para derrubar Saddam Hussein! Depois Hillary passou tempos “vendendo” as guerras contra a Líbia e agora a Síria. E como é que podem ainda assim os liberais progressistas acusarem Trump e não Hillary de “racista”? Como é que podem ignorar as palavras de compaixão de Trump com todos os que estavam “do outro lado”? Tais palavras foram proferidas pelos candidatos a presidente na mesma época e deveriam dar a Trump um apelido diferente de “novo Hitler” ou “racista”. Os autodenominados progressistas estão por acaso perdendo contato com a realidade?

Agora, Hillary alega que Trump colocou lenha na fogueira do Daesh. A fogueira Daesh está queimando há muito mais tempo que a aparição de Trump na cena política nacional dos Estados Unidos. E queima porque as guerras causadas pela demente da Hillary Clinton e o resto da elite política de Washington providenciaram o combustível que alimentou a chama jihadista. Se as palavras de Trump alimentaram essa fogueira quando disse que os Estados Unidos deveriam suspender temporariamente a entrada de muçulmanos no país, funcionaram como meros cavacos perto da floresta de lenha seca que as guerras de Hillary providenciaram para a consolidação do que é hoje o Daesh (ISIS/ISIL/EI). Mas não é nada estranho que Hillary minta mais uma vez como é de seu costume, incluindo a acusação de que o Daesh teria feito um vídeo com Trump.

Como aconteceu na última noite, na aparição de Hillary na TV onde, apesar do sangue de não-brancos que escorre de suas mãos teve a falta de vergonha de dizer que Trump é “perigoso”. Com certeza ele é perigoso, mas apenas para as pretensões de Hillary de se tornar a nova presidente dos Estados Unidos. Mas para ela, não passa de um joguinho nojento agir para parecer que se importa, por pouco que seja, com as vidas de pessoas de cor, especialmente Árabes e muçulmanos.

Na trama da campanha presidencial, meus amigos autointitulados liberais progressistas podem ir em frente e acusar acremente Donald Trump por qualquer ato racista ou intolerante que ele cometa. Eles têm agido exatamente dessa maneira. Este escritor se congratula com eles por agirem assim. Mas não devem fazer isso sem mencionar os recordes de Hillary, que derramou o sangue de milhões de muçulmanos pelo mundo afora, como faz o New York Times. Na melhor das hipóteses estariam contando apenas meia verdade, o que é a mesma coisa que uma mentira total.

John V. Walsh pode ser encontradoaqui:


Nenhum comentário:

Postar um comentário