segunda-feira, 21 de novembro de 2016

2017: Não adianta culpar Putin nem
procurar “Lugares Agradáveis”. Os Atlanticistas Europeus estão perdidos

Por Ruslan Ostashko, traduzido do russo para o inglês por J. Arnoldski e para o português por btpsilveira

Já tínhamos percebido que bastava alguém mencionar qualquer problema enfrentado pela União Europeia e a reação era sempre a mesma, resumindo-se ao seguinte argumento: “Bem, claro que a Europa está apodrecendo, mas ainda não apodreceu desde os tempos da União Soviética”. Hoje, se eu disser que a UE está cara a cara com uma perspectiva real de ruína, nossos “ocidentalistas” provavelmente escreverão algo similar e ainda por cima me acusarão de ser seguidor da propaganda do Kremlin.



Mas aconteça o que acontecer, eu continuarei dizendo que a União Europeia corre risco de entrar em colapso em um futuro mais ou menos previsível. No fim, não há qualquer problema errado com ser considerado propagandista do Kremlin, especialmente desde que estou ao lado do Primeiro Ministro francês Manuel Valls, que dia 19 deste mês disse a mesma coisa. Sim, chegou a usar a palavra “colapso”. Que é que você acha? Será que ele foi comprado por Putin ou realmente pensa assim?


O Primeiro Ministro Valls fez a assertiva em Berlim, onde ele esteve para discutir com Angela Merkel como viver sob a nova era Trump. Para ser honesto, o tom da entrevista ao jornal alemão Sueddeutsche Zeitung sugere que a conversa com Merkel teve mais ares de uma sessão terapêutica em grupo que com uma sessão de tempestade cerebral. Mas isso me lembrou outra coisa. É o seguinte:


Em seguida à vitória de Trump, muitas universidades (norte)Americanas promoveram eventos de apoio psicológico especial para os estudantes que não podiam lidar com o sofrimento de ver Hillary Clinton ser derrotada. Voluntários e empregados das universidades trataram de criar lugares de atmosfera agradável para os jovens sofredores (norte)americanos, consolando-os e dando a eles livros para colorir (para adultos), trazendo cães terapeutas especiais para servir como animais de estimação e dando aos estudantes oportunidade de chorar um rio de lágrimas. Chegaram a cancelar algumas provas e exames.


Na realidade, as ações do políticos Europeus na sequência da eleição nos EUA me lembrou esse tipo de terapia coletiva: eles choram juntos, se lamentam em conjunto, convencem uns aos outros que no final tudo ficará bem, mas nada fazem de concreto. Na entrevista com o Primeiro Ministro francês é muito difícil encontrar um fiapo que seja de planejamento de algo concreto. A declaração de que “a França e a Alemanha devem se tornar agora os líderes da Europa” não é um programa de ação. Já há tempos a França e a Alemanha são os líderes da Europa, e o problema é que os europeus parecem não gostar do eles fizeram até agora. Os ingleses e parte de sua elite política desgostaram da situação até o ponto de terem votado para deixar de fazer parte da União Europeia. Até mesmo Manuel Valls começa a desconfiar que os britânicos não serão o último país a desembarcar do Titanic europeu.


De repente, não mais que de repente, o Primeiro Ministro francês entendeu que a União Europeia está enfrentando um problema com os imigrantes. Não vamos deixar de dizer que isso já é um baita avanço, mas o que será feito para reparar o problema? Com Merkel? Com a mesma Merkel que entupiu a Alemanha com imigrantes e cuja taxa de aprovação está caindo por essa mesma razão?


Existe uma teoria de que o francês veio até a Alemanha para trazer apoio moral para Frau Merkel, que necessita muito disso. Analistas ocidentais têm declarado que Merkel é a “salvadora do mundo livre”, mas ela é a última pessoa que se adaptaria a esse papel, e ela mesma não se sente lá muito confortável com isso. Os analistas ocidentais pelo menos reconhecem que Merkel não tem o carisma, o exército ou a economia necessária para ser a “líder e salvadora do mundo livre”, e que a União Europeia está caindo aos pedaços.


Permitam que eu relacione alguns fatos que acontecerão em breve e que podem acabar abalando a estabilidade europeia. Em dezembro, acontecerão as eleições presidenciais na Áustria, a qual pode ser vencida por um candidato que está inclinado a reconhecer a Crimeia e tratar de retirar a Áustria da União Europeia. Também em dezembro haverá um referendo na Itália que pode fazer com que todo o governo Renzi peça demissão, causando uma crise política e, na prática, uma paralisação dos tomadores de opinião em nível de União Europeia, pelo menos até que os políticos italianos concordem uns com os outros. 


2017 pode trazer eventos ainda mais interessantes. Eleições presidenciais também terão lugar na França onde Merina Le Pen pode vencer e isso será péssimo para Merkel. A própria Merkel pode perder a cadeira de Chanceler, em sua tentativa de disputar um quarto mandato.


De fato, gostaria de perguntar aos fãs da democracia ocidental e dos mecanismos pacíficos de transferência de poder: como pode ser explicada a possibilidade de um quarto mandato para Merkel? Democraticamente? Que tal um quarto mandato para Putin? Não? O padrão de dois pesos e duas medidas mostra a cara feia.


A julgar pela experiência das eleições nos Estados Unidos e pela campanha pelo Brexit na Inglaterra, eu já sei sobre quem será lançada a culpa pelos sofrimentos europeus. Ou você pensa que Obama estava apenas sendo humilde quando declarou que a Rússia é uma superpotência capaz de influenciar em todos os acontecimentos no mundo? Claro que não! Trata-se apenas da artilharia preventiva de barragem que precede uma campanha massiva de desinformação com a mensagem: “Putin está minando a União Europeia!”. Afinal de contas, os europeus não entenderiam como a União Europeia pode ser minada por um “poder regional” com uma economia “que está arruinada” (como Obama disse sobre a Rússia ano passado – NT).


Tudo vai acontecer dentro dos conformes. Não descarto nem mesmo que nossos adversários em Kiev possam mandar mais uma coleção de documentos falsos para Berlim ou Paris, na forma de algumas cartas “roubadas” de Surkov (político russo de grande influência no Kremlin – NT), apenas para que a BBC e a Euronews a exponham para denunciar algum tipo de plano a fim de assustar os eleitores. Será engraçado, hilariante, mas não ajudará os políticos europeus. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário