terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Algeria: Potential Security Challenge in 2017Desafio Potencial à Segurança em 2017: Argélia
Alex Gorka, com tradução de btpsilveira
Seis anos depois, os resultados das Primaveras Árabes continuam a fluir, de várias maneiras. Pouca atenção se tem dado até agora a um dos maiores países da África e do mundo árabe. A Argélia permanece imune às reverberações da Primavera Árabe, com o contexto de sua guerra civil por trás. Este ano, as coisas podem mudar.

Já existem protestos contra o rigoroso plano de austeridade imposto pelo governo, que tem o início marcado para 2017 na Argélia – o barril de pólvora do Norte da África. O orçamento promulgado pelo presidente Abdel Aziz Bouteflika disparou a instabilidade social. Novos impostos sobre uma grande variedade de bens de consumo e corte de 14 por cento no orçamento colocaram ainda mais gasolina na fogueira do já crescente descontentamento com a corrupção generalizada e falta de investimento. De mãos atadas pelo alto índice de déficit e uma economia desequilibrada, o país tem pouco com o que satisfazer as exigências dos manifestantes.
Apenas no ano passado, a Argélia perdeu 22% de seu PIB, equivalentes a 50 bilhões de dólares, pela queda no preço do petróleo e gás. A economia do país está quase inteiramente baseada no petróleo e no gás, indústria muito lucrativa mas que produz reduzido número de empregos. Até este momento, as autoridades do país conseguiram manter o descontentamento em níveis aceitáveis, embora instáveis, com a política da “vara e a cenoura”, que não mais parece ser capaz de manter a paz tênue, pois não aborda os assuntos inerentes às questões que causam os conflitos.
O Ministro do Interior da Argélia, Noureddine Badawi, ameaça “tratar com mão de ferro qualquer um que ameace a segurança do país”, no entanto nenhuma promessa de reformas políticas ou econômicas que solucionem os principais problemas do país foi feita.
A população do país recebe subsídios generosos em comida e combustível, mas fora da indústria de petróleo quase nada sobra, a não ser a indústria de turismo, dificilmente uma opção válida em uma região abalada pela instabilidade. A infraestrutura atual não é capaz de prover as necessidades de uma população em crescimento constante (a taxa de natalidade da Algéria é de 25,14%).
A essa mistura já explosiva, acrescente-se os relatos recentes de que o Presidente Bouteflika, 80, está seriamente doente, sem que haja um sucessor óbvio, o que aponta para um conflito político como uma possibilidade real.
Resultado de imagem para international crisis groupNo final de 2016, o International Crisis Group (Grupo de Crise Internacional – ICG na sigla em inglês – NT) publicou um relatório que fez soar o sino de alarme quanto à situação na Argélia e as possíveis consequências do ressentimento popular em crescimento.
Com o Estado Islâmico em retirada no Iraque, Síria, Líbia e outros locais, a Algéria – país com uma população de 40 milhões de almas – pode ser vista como uma presa fácil. Os jihadistas não estão perdendo tempo e estão cada vez mais entranhados nas áreas ricas em petróleo no sul do país – a vasta área para além das Montanhas Atlas e o planalto que margeia o Mediterrâneo e que compreende 85% do território nacional da Argélia, mas menos de 9% de sua população. Desde dezembro de 2016 o Departamento de Estado dos Estados Unidos emitiu um alerta contra qualquer viagem para o sul ou leste do país.
No ultimo mês de outubro o Estado Islâmico (ISIS-ISIL-EI-Daesh) anunciou formalmente o início de suas operações na Argélia. Seus líderes anunciaram ataques contra todo o Norte da África, incluindo os países do Magreb. Ameaças terroristas em Marrocos, vizinho da Argélia, se tornaram mais frequentes com o número de jovens desempregados e em meio à pobreza rural crescendo exponencialmente.
A Líbia, país limítrofe, tem uma instabilidade que só faz crescer – onde milícias armadas e grupos terroristas floresceram desde a queda do governo de Kaddafi em 2011 – levou a um aumento de tráfico de drogas e armas nas fronteiras com a Argélia. O exército argelino posicionou tropas e armas ao longo de suas fronteiras com a Líbia, Tunísia, Mali e Níger, para tentar conter o fluxo de armas e terroristas para dentro do país.
Em resposta à crescente ameaça, a Argélia está fortalecendo seus laços com a Rússia. Comprou recentemente 40 helicópteros de ataque Mi-28 “Night Hunter” da Rússia. Em setembro de 20-15, Moscou e Argel assinaram um contrato para a entrega de 14 aviões caças SU-30MKA para a Argélia, entre 2016/2017.
Durante a visita do Ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, ao país em Fevereiro de 2016, a Rússia e a Algéria elaboraram um roteiro para o aprofundamento de sua cooperação bilateral econômica e militar.
Em 2016, O Ministro para o Magreb, União Africana e Liga dos Estados Árabes da Algéria, Abdelkader Messahel, visitou a Síria, desafiando assim a política da Liga Árabe.
Isso fez parte de uma tendência geral. A Rússia está fazendo crescer muito sua influência no Norte da África e no Oriente Médio. Sua base na região está experimentando expansão significativa recentemente. Já foi solicitada a sua intervenção militar na Líbia, tendo em vista a crescente ameaça do Estado Islâmico em relação àquele país.
Mapa de ArgéliaAo ajudar o maior país árabe, com uma costa de 1.200 quilômetros de extensão, Moscou estará na realidade fornecendo uma grande contribuição para prevenir algo que pode fazer com que a Europa entre em colapso. Devido à sua proximidade geográfica, a Argélia é um parceiro privilegiado da França, e por extensão, da União Europeia. Imagine o que poderia acontecer se um grande conflito interno provocar um imenso fluxo de refugiados da Argélia para a Europa? O país é um dos principais fornecedores de petróleo e gás para o ocidente, com a terceira maior reserva convencional de petróleo da África (12.2 bilhões de barris) e detentora da 10ª maior reserva de gás do mundo (4.5 trilhões de metros cúbicos). As implicações de um conflito interno de grandes proporções podem ser comparadas a um verdadeiro pesadelo.
A Argélia – um dos maiores atores na luta contra o terrorismo na região – é também componente chave para o diálogo dentro da Líbia. Não há possibilidade de sucesso na administração das crises sem que Argel tome parte do processo. O país é um baluarte contra os grupos terroristas que se espalham na Tunísia, Líbia e Mali e outros países da região MENA (Middle East and North Africa – Oriente Médio e Norte da África – NT).
A luta contra o inimigo comum da Rússia e do ocidente pode mudar para o Norte da África. Movendo-se constantemente, os terroristas passam e um país para outro. Eles estão sempre a postos para tentar controlar regiões instáveis.
A situação da Líbia pode piorar muito e criar um efeito dominó. O Norte da África é uma região enorme e nenhuma nação dessa região está imune ao terrorismo que se espalha, bem como a agitação social. A ameaça terrorista ali é real e séria. Pode ter implicações ainda maiores que a do conflito na Síria. Se a situação continuar a se deteriorar, pode se tornar indispensável um esforço internacional de larga escala. Não deve haver divisões que compliquem as relações entre ocidente e Rússia para tratar desse assunto perigoso para ambos.  A situação pede antes diálogo e cooperação. As agitações em curso na Argélia são um alerta inicial que não deve ser ignorado, para o bem de todos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário