sábado, 14 de janeiro de 2017

Resultado de imagem para ten aircraft carriersDez Porta-Aviões Enfileirados
O que fazem dez dos onze porta-aviões dos EUA nas docas?


por Paul Craig Roberts, com tradução de btpsilveira
Leitores estão me perguntando a causa de 10 dos 11 porta-aviões dos Estados Unidos estarem enfileirados em docas, presumivelmente para manutenção. Isso faz lembrar a batalha naval de Pearl Harbour. Os leitores questionam se não seria uma indicação de que o Estado Profundo poderia estar planejando um ataque de falsa bandeira contra os navios, como o que foi feito contra o World Trade Center e Pentágono, para desencadear uma guerra contra o mundo muçulmano independente, mas desta vez destinado a levar os Estados Unidos e a Rússia a uma guerra antes que Trump e Putin consigam restaurar e normalizar as relações entre os dois países.

Penso que não. O ataque dos japoneses contra Pearl Harbour foi real, embora provocado. A fraude estava no fato de que, mesmo tendo Washington informações sobre o ataque, não as compartilhou com a Marinha dos EUA em Pearl Harbour. Os navios de batalha que ali se encontravam tinham armamento obsoleto e os porta-aviões foram removidos anteriormente. Seria muito difícil culpar a Rússia no caso de um ataque de falsa bandeira contra os porta-aviões dos Estados Unidos. Na realidade, se a Rússia quisesse atacar os EUA, o alvo provavelmente não seria armas tão ultrapassadas como porta-aviões.
Conforme informações que me foram passadas por antigos (?) funcionários dos serviços de inteligência, os porta-aviões estão nas docas para que possam trocar suas fiações de cobre por fibras óticas. Parece que os russos têm capacidade de desligar os sistemas operacionais de nossos navios e aviões, desde que estes tenham fios de cobre. O que permite essa conclusão, são relatos de que um navio com mísseis que Washington mandou para impressionar a base naval russa na Crimeia teve todos os seus sistemas eliminados após ser sobrevoado por apenas um jato russo. De acordo com outros relatos, dois jatos de Israel fabricados nos EUA foram mandados para sobrevoar o espaço aéreo controlado pela Rússia na Síria, em clara desobediência ao estabelecido pelas Forças Armadas da Federação Russa. Os russos solicitaram que os aviões de Israel deixassem a área e quando eles desobedeceram, os russos derrubaram os controles de comunicação e de controle de disparo dos jatos.
De acordo com o que me foi dito, os russos descobriram que navios ou aviões que tenham fiação de cobre, permitem que eles embaralhem seus sistemas operacionais a partir de certas frequências de radar de seu sistema de controle aéreo.
Se esse relato for verdadeiro, e confesso que não tenho capacidade técnica para julgar sobre o que me foi informado, nós estaríamos no momento de conferir a verdade de tudo o que foi dito sobre as intenções agressivas de russos e chineses contra o ocidente. Com as forças dos Porta-Aviões dos Estados Unidos inoperantes, seria um momento privilegiado para a Rússia invadir e conquistar a Ucrânia e qualquer outro país que se alega ela quer invadir, e seria também um momento propício para a China tomar de vez o Japão e Taiwan, se quisessem. Não haveria uma Marinha (norte)Americana para detê-los e a ameaça nuclear dos palhaços de Washington significaria apenas a completa destruição de todo o mundo ocidental, com os cretinos estúpidos em Washington sendo os primeiros a perecer.
As acusações de agressão chinesa ou russa são mentiras risíveis. A China nunca declarou que o Golfo do México ou as águas que banham as costas da Califórnia são “áreas de interesse nacional da China”, mas a assassina demente Hillary Clinton, quando fazia parte da administração do ganhador do Prêmio Nobel da Paz declarou que o Mar do Sul da China é “uma área de interesse nacional dos Estados Unidos”. Isso é uma provocação em cima de um insulto. Nenhum diplomata inteligente jamais faria uma provocação tão ridícula.

A Rússia conquistou a Georgia apenas como resposta a uma invasão da Ossétia do Sul pela Georgia, mas deixou para lá e não a reincorporou como uma antiga província da Federação Russa, que era o status do país por mais de 300 anos. A Rússia se recusou a aceitar o pedido de Donetsk e Lugansk, repúblicas separatistas da Ucrânia, de reincorporação à Federação Russa. A Rússia nunca declarou que os países Bálticos e a Europa Oriental seriam áreas de interesse nacional russo, mas os EUA incorporaram todos esses países ao seu exército mercenário da OTAN, alocando ali tropas, tanques e mísseis os quais só teriam utilidade como arma de ataque contra a Rússia. Até agora, a Rússia ainda não respondeu simétrica ou assimetricamente.
Todas as agressões entre países que acontecem no mundo são executadas por ou geradas nos EUA. Isto é claro como o dia. Como pode haver tão poucas pessoas que enxerguem esse fato óbvio? Quem a não ser Washington tem estado em guerra permanente desde o regime Clinton, matando pessoas em nove países?

Por que toda a esquerda liberal progressista está ajudando o establishment entranhado na CIA, ao demonizar o presidente eleito Donald Trump, que já declarou que um de seus objetivos é normalizar as relações com a Rússia? Seria isso uma indicação de que a esquerda liberal progressista é uma das frentes da CIA? Embora pareça, a possibilidade não é estapafúrdia. Como é de conhecimento geral, a CIA manda na imprensa e TV dos Estados Unidos e da Europa. Por que iria ignorar a esquerda liberal “progressista” que se manifesta principalmente pela Internet, através da mídia alternativa?
A regra é que “o inimigo de meu inimigo é meu amigo”. É óbvio que o establishment que é inimigo da esquerda liberal é inimigo de Trump, então por que a esquerda liberal se aliou com o seu inimigo no establishment contra Trump?
Mas a questão real é a seguinte: existe mesmo uma esquerda liberal independente?
Se existe, onde diabos está ela? Os membros da esquerda liberal progressista estão servindo como defensores da história oficial e falsa de que um bando de sauditas sem informações de um serviço de inteligência ou o aparato de um Estado enganou facilmente todas as 16 agências de inteligência, o Conselho de Segurança Nacional, o Pentágono, segurança dos aeroportos, controle de tráfego aéreo, a Força Aérea do Império dos EUA, o próprio Dick Cheney, bem como o Mossad israelense a serviço do imperialismo (norte)americano e infligiu a maior e mais humilhante derrota a uma alegada “superpotência” em toda a história da humanidade.
Ninguém que seja estúpido o suficiente para acreditar na história oficial de 11/9 é suficientemente inteligente para pretender ser um esquerdista liberal ou mesmo um ser consciente.
Em verdade, o mundo ocidental, que está à procura de sua própria destruição, precisa desesperadamente de uma esquerda verdadeira, uma esquerda imune a limitações emocionais que a deixem cega para a realidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário